Epidemia de vandalismo a presépios atinge a Itália

Berço profanado em Lodi, Lombardia. (Reprodução/Church Militant)

Centenas de presépios de Natal foram esmagados, queimados e vandalizados por toda a Itália em uma onda de violência sem precedentes na memória recente. Estátuas do menino Jesus e da Sagrada Família foram decapitadas, roubadas ou enforcadas – e até mesmo empaladas em um poste de ferro em uma praça pública.

Na cidade de Ivrea, perto de Turim, os bombeiros foram chamados para extinguir um incêndio na igreja de San Maurizio em 4 de janeiro, depois que uma mulher de 46 anos com histórico de incêndio criminoso incendiou um berço perto do altar. O fogo destruiu pinturas e afrescos valiosos, bem como duas antigas mesas pintadas e a cobertura da fonte batismal.

A autora confessou o crime, apesar de ter dito que não conseguia explicar por que o fez. Enquanto isso, no mesmo dia e na mesma cidade, outro incendiário incendiou um berço na igreja de San Salvatore, destruindo o linho do altar. As duas igrejas estão próximas uma da outra, perto do centro histórico da cidade.

Menino Jesus vandalizado na Piazza Santa Giustina, Affori.

Edoardo Cerrato, bispo de Ivrea, pediu ações de reparação e investigação, observando que “vimos figuras decapitadas do Menino de Belém e de sua Santíssima Mãe” em outras partes da Itália. “A investigação talvez identifique os autores e entenda o motivo por trás do que, por enquanto, pode ser visto como profanação de imagens e igrejas sagradas”, disse ele.

Uma mãe que testemunhou a destruição “pesada” e “macabra” disse que os vândalos também espalharam vários copos plásticos entre a palha, usando o presépio como uma lata de lixo.

Uma estátua do Menino Jesus, colocada na manjedoura em frente à igreja paroquial de San Sebastiano, Arbus, no sul da Sardenha, foi decapitada por um grupo de vândalos que depois levaram a cabeça decepada ao cemitério municipal.

O prefeito Antonello Ecca condenou o evento como “atingindo nosso cristianismo no coração” e disse que “indescritível que hoje ainda haja pessoas capazes de cometer um gesto indescritível, como ter danificado a manjedoura”.

Menino Jesus decapitado em San Sebastiano, Arbus

O ex-vice-prefeito de Milão e o assessor de segurança regional Riccardo De Corato vincularam o vandalismo a um incidente em San Benedetto Po, Mantova, onde quatro muçulmanos de 16 anos de origem marroquina, nascidos na Itália, foram presos depois de destruir um berço. Na véspera de Ano Novo, bandidos apedrejaram uma manjedoura no parque San Bernardo, erguida pela associação La Braila em Lodi, Lombardia. Segundo a polícia, a imagem do Menino Jesus foi então removida, decapitada e jogada fora em um campo próximo.

“Não é difícil imaginar de onde possa vir a hostilidade em relação a um símbolo cristão”, comentou De Corato.

Uma investigação do Church Militant descobriu dezenas de outros incidentes em cidades italianas durante o período de Natal.

Na noite de Natal, os berços foram totalmente destruídos em Martinengo, Bergamo e Palau, Gallura. Em Mondovì, Cuneo, a imagem do menino Jesus e outras figuras do berço foram roubadas.

Berço vandalizado no sul de San Filippo, Cesano.

Em Ovada, Alexandria, na véspera de Natal, um berço de poliestireno feito por crianças foi rasgado em pedaços e jogado em um lago. Em Lizzanello, Lecce, as estátuas do presépio artístico na Piazza della Libertà foram desfiguradas.

Em Villa Musone, uma aldeia de Loreto, as estatuetas da Sagrada Família foram roubadas de um berço feito por empresas e moradores e colocadas em frente a uma escola infantil. Também em Fabriano, na província de Ancona, a estátua do Menino Jesus nunca chegou à manjedoura; foi roubada de um confessionário onde estava guardada. Em Senigallia, um berço recém-fabricado foi danificado e a “conquista” publicada no Instagram.

Na aldeia de Corciano, Perugia, os vândalos removeram estátuas de terracota em tamanho natural da Sagrada Família, pastores e animais do berço e as colocaram na entrada de um bar local.

Os católicos estão chocados com o fato de que vários incidentes ocorreram em pequenas cidades. As notícias se espalharam rapidamente e criaram sentimentos feridos e indignação nas comunidades locais – mesmo entre aqueles que não praticam a fé cristã.

Embora vários atos tenham sido simplesmente devassos e cometidos por jovens locais, fontes disseram que outros incidentes podem ser atribuídos a “pessoas profundamente diferentes em sentimentos, valores, fé e raízes” e “estrangeiros” que, embora tenham nascido na Itália, eram de outros países. Países islâmicos e “insensíveis” ou até hostis “ao sentido do Natal”.

Enquanto isso, dois meninos que roubaram e danificaram estatuetas do berço na praça de Orbassano, na Piazza Umberto, em frente à igreja paroquial, pediram desculpas e devolveram os objetos roubados após apelo do prefeito da cidade, Eugenio Gambetta.

Berço profanado em Lodi, Lombardia.

O pároco e os pais repreenderam os meninos, e os pais concordaram em pagar pelos danos.

“É claro que, na Itália, a comunidade muçulmana é muito menor, então o problema é mais modesto, mas o grande número de ataques durante as recentes festividades de Natal na Itália é realmente perturbador”, explicou Leo Zagami, que completou: “e inspirado pela falta de integração sofrida pela maioria dos membros da comunidade islâmica, assim como na França”.

Zagami observou ainda que esses incidentes eram menos frequentes no sul da Itália, já que a máfia, obcecada com o respeito aos símbolos religiosos, puniria os agressores”, mas no norte da Itália estamos testemunhando basicamente uma explosão do mesmo problema que foi infestando a França e agora está cruzando a fronteira para a Itália”.

“De certa forma, isso é uma repetição do que vem acontecendo na França há algum tempo com a constante vandalização de igrejas por imigrantes muçulmanos”, afirmou Zagami à Church Militant, mas a mídia italiana predominantemente de esquerda minimiza os ataques como brincadeiras estúpidas de adolescentes”.

Com informações de Church Militant

Publicado por europaemchamas

Europa em Chamas é um portal de notícias independente. Curta nossas postagens e compartilhe nas redes sociais para nos ajudar a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: